Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Como Nova Iorque devolveu a rua aos pedestres em poucas horas

Mäyjo, 13.10.13

Como Nova Iorque devolveu a rua aos pedestres em poucas horas

 

Em 2002, quando 90% das ruas nova-iorquinas eram ocupadas por automóveis, a cidade resolveu devolver este espaço público aos pedestres em poucas horas. Numa madrugada, uma equipa camarária utilizou várias placas e tinta para pintar os estacionamentos e espaços então ocupados por automóveis – entre eles um maga-canteiro, em Brooklyn, que era usado como estacionamento informal pelos veículos.

A história foi contada ao Planeta Sustentável por Janette Sadik-Khan, actual secretária de Estado de Transportes da cidade norte-americana e responsável pela ideia, ainda antes de ser nomeada para o actual cargo. Segundo ela, 90% da população estava insatisfeita com a grande quantidade de automóveis na via pública – curiosamente, a mesma percentagem de automóveis mal estacionados.

Apesar de ousada e temporária, esta solução acabou por ficar ir ficando. Inicialmente, a câmara decidiu que as ruas poderiam ser devolvidas aos automóveis, se necessário. No entanto, a resposta da maioria da população foi tão positiva que a cidade não teve coragem de voltar atrás – e o tal estacionamento informal de Brooklyn é hoje uma praça de convívio comunitário.

Com a mudança, as pessoas passaram a sentir-se mais donas das ruas, de acordo com Janette Sadik-Khan, e tornaram-se mais receptivos a projectos idênticos. Dez anos depois, Nova Iorque tem centenas de quilómetros de ciclovias, faixas exclusivas para autocarros e reduziu o limite de velocidade dos automóveis em 15 km/h.

 

in: Green Savers

6 possíveis (futuros) países dos quais você provavelmente nunca ouviu falar

Mäyjo, 13.10.13

Quantos países existem hoje no mundo? Desconfie de quem responder rápido demais. Atualmente, a Organização das Nações Unidas conta com 193 países membros e dois observadores – Santa Sé (Vaticano) e Palestina. Mas não para por aí. Estados não reconhecidos lutam para declarar sua independência e ter sua autonomia reconhecida diplomaticamente em todo o mundo. Conheça 6 possíveis futuros países dos quais você provavelmente nunca ouviu falar:

.
1. Abecásia

01_abecasia
Se perguntar para os georgianos, é bem possível que se refiram a Abecásia como uma república autônoma da Geórgia. Mas aos abecásios interessa mesmo é ter seu território reconhecido como país independente. O impasse é antigo: toda a região era integrante da União Soviética e, no final da década de 1980, a tensão entre os dois povos se acirrou. Em 1991, a Abecásia declarou sua independência, o que culminou em uma guerra com a Geórgia no ano seguinte. Mesmo depois de conflitos, negociações e acompanhamento das Nações Unidas, a disputa não foi resolvida. Em 2008, outro embate na região (dessa vez, pela independência da Ossétia do Sul) acabou promovendo uma mudança: Rússia, Nicarágua, Venezuela, Nauru, Vanuatu e Tuvalu reconheceram formalmente a independência da Abecásia naquele ano. Mas a situação está longe de ser resolvida por lá, como você vê no próximo item.

 

2. Ossétia do Sul

02_ossetia

Localizada a 100 metros acima do mar, a Ossétia do Sul também está dentro dos limites da Geórgia. Desde o início da década de 1990, os ossetos defendem sua autonomia – entre 1991 e 1992, após a desintegração da União Soviética, a Ossétia entrou em combate pela primeira vez com os georgianos pela sua independência. Foi o primeiro de uma série de conflitos, o mais recente deles em 2008, quando forças armadas russas tomaram partido no embate sob o argumento de “defender cidadãos russos na Ossétia do Sul e seus próprios soldados de paz estacionados na região separatista”.

A Geórgia não gostou nada. E a situação só piorou quando a Rússia reconheceu formalmente a independência da Ossétia do Sul e da Acabésia em agosto do mesmo ano – decisão qualificada por Estados Unidos e França como “lamentável”. O desejo do povo osseano é se juntar aos seus semelhantes étnicos da Ossétia do Norte, república autônoma integrante da Federação Russa. Mas este objetivo não parece estar próximo de ser alcançado: a Geórgia não reconhece nem mesmo o nome “Ossétia do Sul”, e se refere à região por seu antigo nome, Samachablo; no resto do mundo, apesar de Nicarágua, Venezuela, Nauru, Vanuatu e Tuvalu terem reconhecido a independência do território, outras 15 nações já declararam que não irão legitimar a autonomia das regiões separatistas da Ossétia e da Abécasia.

.

3. Transnístria

03_transnitria

Uma pequena faixa de terra localizada entre o rio Dniester e a fronteira ucraniana, a Transnístria é oficialmente parte da Moldávia, mas reivindica sua independência desde a década de 1990. Em 1991, o país impôs o idioma moldavo como língua oficial em todo o território, o que causou revolta na parte  russófona da população. O impasse desencadeou uma guerra civil no território separatista, que deixou mais de 700 mortos e contou com ajuda de intervenção militar russa. As nações assinaram um cessar-fogo em 1992, mas a autonomia política não foi obtida como esperado. Em 2006, um referendo realizado no país-em-potencial atestou o desejo da população de independência e união à Federação Russa. A Moldávia e a comunidade internacional não reconheceram este resultado e o conflito permanece.

 

4. Alto Carabaque (ou Nagorno-Karabakh)

04_carabaque

Em 12 de julho de 2012, cerca de 100 mil habitantes do Alto Carabaque compareceram às urnas para escolher o novo presidente do território pertencente ao Azerbaijão e próximo à fronteira da Armênia – na ocasião, Bako Sahakyan, quarto presidente do país, foi reeleito para um segundo mandato. A eleição foi vista com apreensão pelo mundo – o Alto Carabaque, também conhecido como Nagorno-Karabakh, não é reconhecido por nenhuma nação, nem mesmo pelos vizinhos. De maioria armena, o território é campo para conflitos e violações de direitos humanos desde a declaração unilateral de independência em 1991. Hoje, ambas as nações possuem mísseis ofensivos, e há apreensão pela possibilidade de agravação do embate entre os países vizinhos.

 

5. Somalilândia

05_somalilandia

Ao chegar a este país localizado no Chifre da África, é bem provável que você veja logo a bandeira da Somalilândia hasteada. Se pegar um táxi ao desembarcar no aeroporto, já vá preparado – deve pagar em moeda local, o shilling da Somalilândia. Mas, não se deixe enganar: este é um país que não existe – pelo menos, não oficialmente. O território, antigo protetorado britânico, declarou sua independência unilateralmente em 1991. Apesar de não ser reconhecido internacionalmente por nenhuma nação, o território foi historicamente autônomo: o atual território da Somália estava dividido entre Itália, França e Inglaterra no século 19; a Somalilândia pertencia ao governo britânico, e chegou a ser independente por cinco dias antes de ser unificada à Somalilândia Italiana para a formação da República Federal da Somália, em julho de 1960.

 

6. Chipre do Norte

06_chipredonorte

O Chipre está dividido desde 1974, quando a Turquia invadiu a ilha depois que um golpe militar (apoiado pelo governo de Atenas) depôs o governo legítimo. Não saíram mais de lá. Forças de paz da ONU estimam que 165 mil cipriotas gregos fugiram ou foram expulsos do norte, e 45 mil cipriotas turcos do sul – partes envolvidas apontam que os números são ainda maiores. Em 1983, a área ocupada pela Turquia declarou unilateralmente a independência da República Turca de Chipre do Norte. Só a Turquia reconhece o território separatista, e o país mantém cerca de 30.000 tropas no norte da ilha.

.
Imagens: Wikimedia Commons

 

in: Super Interessante